As vantagens da Agricultura Regenerativa e como colocá-la em prática!

materia 4 agricultura regenerativa mf

   A agricultura regenerativa pode produzir alimentos nutritivos para a crescente população mundial ao mesmo tempo em que compensa o impacto das ações antrópicas no ecossistema? A resposta é sim! Esse modelo de produção possibilita a restauração do meio-ambiente, tornando a agricultura uma solução para os problemas ambientais.

 

   A prática regenerativa traz melhorias para a qualidade do solo, restaura e mantêm sua fertilidade, além de conservar e, inclusive, aumentar a biodiversidade dos ecossistemas, trazendo mais resiliência ambiental e econômica aos sistemas produtivos. Além disso, por aumentar a matéria orgânica presente no solo, a agricultura regenerativa auxilia também na capacidade de retenção de água e no sequestro de carbono em maiores profundidades, reduzindo os níveis de CO2 atmosférico que impactam o clima.

 

   Mas como você, produtor, pode colocar isso em prática? Bom, o conceito engloba diversas técnicas agrícolas que se baseiam no manejo consciente da produção. Vamos olhar quais são elas:

  • A rotação de culturas ou sucessão de mais de uma espécie de planta na mesma área é um importante pilar para a melhoria da biodiversidade, além de reduzir os impactos causados pela monocultura como a degradação física, química e biológica do solo e o desenvolvimento de pragas; 
  • Adoção do sistema de plantio direto na palha e o mínimo revolvimento do solo, ou seja, cobrir o cultivo o ano todo, para que a terra não fique “descoberta” durante as entressafras, o que ajuda a evitar a erosão do solo e aumenta a infiltração e retenção de água e o sequestro de carbono;
  • Redução do uso de agroquímicos pelo manejo da fertilidade do solo através do plantio de culturas de cobertura e uso de biofertilizantes que realizam a manutenção dos microrganismos benéficos para promover a liberação, transferência e ciclagem de nutrientes essenciais do solo para a planta;
  • Sistemas integrados de produção com a combinação de sistemas produtivos agrícolas, pecuários e florestais dentro de uma mesma área, o que estimula naturalmente o desenvolvimento das plantas e aumenta a fertilidade do solo, a biodiversidade de insetos e plantas e o sequestro de carbono do ecossistema.

 

   Esse assunto estará em grande evidência nos próximos anos em todo o planeta, uma vez que os agricultores têm percebido a importância de conciliar a produção agrícola com a preservação do meio-ambiente. Já é possível observar o avanço na adesão de produtos de base biológica para controle de pragas e doenças, além do aumento significativo da adoção do sistema de plantio direto na palha sem o revolvimento do solo. 

 

   A agricultura regenerativa caminha em conjunto com a demanda mundial por tecnologias mais sustentáveis que atendam às necessidades de produção alimentar com redução de impactos. Por fim, essa prática é uma importante aliada ao equilíbrio natural de solos saudáveis, que vão auxiliar os produtores a produzirem alimentos mais diversificados com alta produtividade e qualidade. Continue acompanhando nossos conteúdos, nos próximos artigos vamos tratar mais a fundo da Agricultura Regenerativa e suas vantagens para o desenvolvimento sustentável do nosso agro.

 

 

 

 

Marcos Fava Neves é Professor Titular (em tempo parcial) das Faculdades de Administração da USP em Ribeirão Preto e da EAESP/FGV em São Paulo, especialista em planejamento estratégico do agronegócio. 

Vinícius Cambaúva é associado na Markestrat Group, formado em Engenharia Agronômica pela FCAV/UNESP e aluno de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP.

Beatriz Papa Casagrande é consultora na Markestrat Group, graduada em Engenharia Agronômica pela ESALQ/USP e aluna de mestrado na FEA/USP em Ribeirão Preto – SP.